A edição desta segunda-feira, 18, do Diário Oficial da União foi publicada sem a exoneração do ministro Gustavo Bebianno (Secretaria-Geral da Presidência). A oficialização da demissão do auxiliar do presidente Jair Bolsonaro (PSL) é esperada para hoje, após o ministro ter sido chamado publicamente de mentiroso por Bolsonaro e seu filho, Carlos.

Segundo interlocutores no Palácio do Planalto, a saída do ministro já foi decidida e assinada por Bolsonaro. Uma edição extra do Diário Oficial pode ser publicada ainda nesta segunda para formalizar a demissão. Na edição ordinária desta segunda, constam duas portarias assinadas na sexta 15.

A crise começou em meio a denúncias de participação de Bebianno na distribuição de dinheiro público para abastecer “candidaturas laranjas” do PSL. O ministro declarou, em 12 de fevereiro, que havia conversado “três vezes” com Bolsonaro, quando o presidente ainda estava internado no hospital Albert Einstein, para minimizar a repercussão do caso.

No dia seguinte, porém, Carlos Bolsonaro publicou no Twitter que a fala de Bebianno foi uma “mentira absoluta” e mostrou um áudio no qual Jair Bolsonaro, ainda internado após a retirada da bolsa de colostomia, diz que não iria “falar com ninguém” durante a recuperação. Horas depois, o próprio presidente endossou a mensagem.

Embora negasse desentendimentos, Bebianno voltou a ser exposto quando Bolsonaro, em entrevista para a TV Record, disse que a Polícia Federal investigaria o caso dos laranjas e que o ministro poderia cair caso se comprovasse envolvimento. O governo se dividiu sobre a melhor forma de conduzir a crise, com setores defendendo a permanência de Bebianno. Ainda assim, no sábado, o próprio ministro declarou que “a tendência” era a exoneração, após se reunir com Bolsonaro.

Fonte: VEJA

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here