Derrotado com um desempenho inferior ao que esperava, o candidato do PDT à sucessão presidencial, Ciro Gomes, indicou que deve apoiar o adversário do PT, Fernando Haddad, no segundo turno da disputa presidencial.Após o resultado, minutos depois de ter falado por telefone com o petista, o pedetista fez um rápido pronunciamento e disse que pretende anunciar a sua posição no início desta semana.

“Não posso demorar uma semana, não. Costumo decidir as coisas assim, mas agora eu represento um conjunto muito grande de forças. Então, quero anunciar por mim. O meu espírito é fazer o que fiz a vida inteira: lutar em defesa da democracia e contra o fascismo”, disse.

Antes mesmo de ser questionado pela imprensa, Ciro fez questão de dizer que não há hipótese de um apoio ao adversário do PSL, Jair Bolsonaro, quem atacou o primeiro turno inteiro. “Ele não, sem dúvida”, disse.

A virada na reta final esperada por Ciro não ocorreu. Em seu apartamento, em um dos bairros nobres da capital cearense, o candidato recebeu a notícia da perda em um cenário pior do que poderia imaginar.

A revelação do resultado, com 12% das intenções de voto, foi uma decepção. O entorno do candidato esperava que, com a campanha do voto útil, ele chegasse a pelo menos 18% e já falava, de maneira informal, em estratégias para um eventual segundo turno contra o adversário do PSL, Jair Bolsonaro.

Após entrevista à imprensa, ele se reuniu com amigos e aliados do partido em um restaurante da capital cearense para discutir seu futuro político e a forma como seu anúncio será feito.

A tendência é de que ele declare apoio a Haddad, apesar de ter ficado magoado com Lula. O PDT acusa o petista de ter agido de maneira desleal ao ter atuado para esvaziar sua candidatura, impedindo o apoio dos partidos do centrão e influenciado o PSB a declarar neutralidade na disputa presidencial.

O anúncio, contudo, deve ser feito de maneira protocolar, sem uma adesão imediata a uma eventual gestão petista. A ideia é que ele repita o formato adotado por Marina Silva na disputa presidencial de 2014, quando ela informou um apoio, mas não uma aliança, com Aécio Neves, do PSDB, no segundo turno da disputa eleitoral.

A estratégia é tentar, assim, blindar a sigla de acusações de que ela atua por interesses fisiológicos. O grupo do pedetista espera, contudo, que os petistas façam acenos na incorporação de propostas de Ciro, como o programa de renegociação da dívida de cidadãos inadimplentes, o “SPCCiro”.

A aproximação entre PT e PDT é feita pelo senador eleito Jaques Wagner, do PT, e pelo irmão de Ciro, também senador eleito, Cid Gomes. O ex-secretário municipal de Haddad Gabriel Chalita, filiado ao PDT, também deve participar da costura de um acordo.

Em caráter reservado, aliados de Haddad dizem que pretendem oferecer a Ciro um posto no comando da campanha petista, o que não deve ser aceito pelo pedetista, e um cargo ministerial caso o ex-prefeito de São Paulo seja eleito.

Ciro assistiu à apuração acompanhado de familiares. A sua candidata a vice-presidente, Kátia Abreu, preferiu permanecer em Tocantins, onde seu filho foi eleito senador. Ela já avisou que se manterá neutra no segundo turno. 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here